Conteúdo atualizado em: 02/10/2019

Será que você consegue controlar as horas trabalhadas e os recursos investidos em sua loja? Já tentou fazer o cálculo de quanto os colaboradores se dedicam aos projetos que participam? A resposta para essas perguntas é fundamental para a obtenção de uma das principais avaliações quanto ao desempenho dos negócios: o índice de lucratividade.

Assim como nos outros segmentos do mercado, esse índice representa um indicador crucial para a gestão de empreendimentos no varejo. Saber quanto você está lucrando tem tudo a ver com a análise dos retornos sobre investimentos, além de servir como base para tomadas de decisão mais acertadas.

Neste artigo, você vai aprender o que é o índice de lucratividade, o que deve ser levado em consideração para calculá-lo, a sua importância no mundo dos negócios e, por fim, as dicas mais eficientes para aumentar os lucros da sua empresa. Confira!

O que é índice de lucratividade?

O índice de lucratividade é um indicador do desempenho da empresa no processo de geração de lucro. Esse índice mostra o quanto da receita total produzida nos negócios efetivamente se converteu em lucro depois de pagos todos os custos e encargos.

Ao apresentar a eficiência operacional obtida por meio de valores percentuais esse indicador apresenta, com clareza, qual é o ganho que a sua loja consegue gerar a partir de cada trabalho desenvolvido. É esse dado que revela o quanto vale a pena continuar ou não com um projeto.

Se formos colocar em prática, a lucratividade é descoberta basicamente pela comparação dos fluxos de caixa. Para entender melhor esse conceito, é preciso esclarecer as definições de receita e lucro.

Receita são os valores recebidos pela empresa como pagamento de suas operações, seja venda de mercadorias, seja prestação de serviços. Lucro é a diferença entre a receita total e os custos. É o que a marca ganha menos o que ela gasta. 

Dito isso, é possível saber quanto da criação de riqueza da empresa efetivamente fica para ela na forma de lucro.

Como fazer o cálculo do índice de lucratividade?

Quem deseja chegar no resultado final do índice de lucratividade precisa conhecer a fundo os números da empresa. É importante saber qual é o seu faturamento anual e ter registrado todos os custos operacionaise fiscais do mesmo período. A fórmula para o cálculo é a seguinte:

Lucratividade = (Lucro Líquido / Receita Total) x 100

Para exemplificar, imagine que a receita total de sua empresa é de R$ 200.000. Os custos operacionais somam R$ 120.000. O resultado do lucro bruto é de R$ 80.000 por ano. Para chegar ao lucro líquido, subtraia do valor do lucro bruto os custos fiscais anuais.

Ainda seguindo o exemplo, imagine que os tributos cheguem a R$ 40.000. Resumindo, temos uma empresa com:

  • faturamento anual (receita total) = R$ 200.000;
  • lucro líquido = R$ 40.000 (lucro bruto – custos fiscais).

Assim, o índice de lucratividade é equivalente a 20% ao ano, segundo a fórmula. Ou seja, no ano em verificação, a empresa lucrou R$ 20 a cada R$ 100 de venda.

Mas e o overhead?

Por mais que o conceito chamado de “overhead” seja vinculado aos aspectos financeiros, existe um equívoco no uso do termo. O overhead é a taxa de administração central — uma porcentagem que precisa ser acrescentada no custo total de um orçamento para custear os gastos administrativos. Ele se refere às despesas indiretas e a todos os custos envolvidos em uma administração.

Qual a importância do índice de lucratividade?

Uma empresa que busca excelência em suas áreas administrativa e gerencial deve compreender e conseguir calcular o índice de lucratividade, pois é ele que vai mostrar sua eficiência. Se o índice de lucratividade de uma organização está decrescente, por exemplo, fica evidente que existe perda na capacidade de geração de lucro. Logo, algo precisa ser melhorado.

Com a informação do indicador apontando a real situação da companhia, os processos decisórios ficam mais fáceis, bem como a procura por soluções que tornem a empresa mais lucrativa. Outro aspecto relevante sobre o índice de lucratividade é a possibilidade de se comparar o desempenho de negócios do mesmo setor ou, até mesmo, de tamanhos ou setores diferentes.

Dessa forma, podemos listar resumidamente as vantagens de acompanhamento do índice de lucratividade:

  • avaliação precisa de todos os fluxos de caixa;
  • acompanhamento do reflexo dos investimentos sobre o valor da empresa;
  • avaliação de vários projetos;
  • comparação dos valores de tempo dos fluxos de caixa;
  • uso do custo de capital como uma comparação para projetos específicos;
  • compreensão exata quanto ao lucro do negócio.

Como desvantagem, podemos citar o trabalho que o cálculo gera, já que na forma mais detalhada é preciso recorrer a uma calculadora financeira ou uma solução capacitada. 

Ainda assim, precisamos destacar que o cálculo não apresenta um alto nível de dificuldade, como você mesmo viu. Outra desvantagem está no fato de que todas as entradas são remuneradas a partir de uma mesma taxa.

Qual é a diferença entre lucratividade e rentabilidade?

Tanto o índice de rentabilidade quanto o de lucratividade são medidas quantitativas obtidas a partir de cálculos simples sobre a Demonstração dos Resultados do Exercício (DRE) e o Balanço Patrimonial da empresa.

Ambas são relevantes para avaliar o desempenho da companhia, identificar falhas e replanejar práticas de gestão e estratégias comerciais. Porém, existe uma diferença conceitual entre elas que precisa ser muito bem compreendida por parte do empresário. O índice de lucratividade é calculado a partir do lucro, ou seja, a receita advinda das vendas, menos as deduções, as despesas e os custos (que incluem os tributos).

Já o índice de rentabilidade mostra se o investimento feito está trazendo o retorno esperado a longo prazo. É, portanto, uma medida quantitativa que não se baseia em lucros imediatos. Ela diz muito sobre a capacidade da empresa de sobreviver em seu nicho de atuação pelos anos que vêm pela frente. O índice de rentabilidade deve ser calculado da seguinte forma:

Rentabilidade = (Lucro Líquido / Investimento Total) x 100

O que é o Retorno Sobre os Ativos (ROA)?

Uma importante maneira de mensurar os resultados da empresa sob o aspecto do índice de lucratividade é o ROA. Ele mostra como a utilização dos ativos da empresa pode se reverter em ganhos.

Ativos são todas as contas em que são registrados os elementos que compõem o patrimônio da empresa, como bens, créditos e direitos. Na prática, isso pode representar o estoque que uma companhia tem, suas máquinas e seus equipamentos ou ainda seus ativos financeiros, como investimentos a receber.

Em resumo, o ROA é um indicador que mostra o nível de competência da companhia para produzir ganhos, partindo de seus próprios ativos. Para calculá-lo, é preciso dividir o lucro líquido por seu ativo total:

ROA = (Lucro líquido / Ativo total)

O que é Retorno sobre o Investimento (ROI)?

O ROI é uma das siglas mais conhecidas no mercado de gestão empresarial. Trata-se de um índice de crucial importância, pois mostra o lucro ou o prejuízo obtido após um investimento.

Ele tem caráter preventivo e passa a ser determinante para avaliar se é viável para a empresa investir, por exemplo, na compra de insumos, equipamentos ou até mesmo contratar novos funcionários.

O ROI leva em consideração o lucro líquido da empresa dividido pelo investimento. É importante destacar que entram no cálculo do ROI as receitas e os custos gerados pelo investimento apenas, e não os custos totais da companhia.

ROI = (Lucro líquido / Investimento)

E Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE)?

O ROE é a maneira de medir o retorno do investimento feito por acionistas na empresa. É, portanto, um indicador que determina o quanto uma companhia cresceu ou não a partir do crédito que foi dado a ela por terceiros.

Para calcular o ROE é preciso dividir o lucro líquido pelo patrimônio líquido da empresa. Devem ser utilizados no cálculo os dados do ano imediatamente anterior ao atual, para fins de período contábil:

ROE = (Lucro líquido / Patrimônio líquido)

Assim, o ROE se torna muito útil para comparar a rentabilidade de uma empresa com a de outras do mesmo setor e também para ter um panorama mais claro sobre o crescimento da companhia. Isso permite dar um retorno aos investidores sobre o valor que eles aplicaram na organização.

Qual a relação dos índices na tomada de decisões?

Esses são alguns dos principais indicadores utilizados no mercado em relação ao índice de lucratividade na gestão empresarial. Eles permitem ter controle sobre o desempenho da instituição diante do que foi investido e das expectativas de lucro.

Ao combinar esses indicadores, o empreendedor obtém uma visão clara do presente e do futuro da companhia e passa a ser capaz de antever situações que podem se impor como gargalos para o avanço do negócio.

Dessa forma, para quem deseja vida longa e altas margens de lucro em sua empresa, o domínio sobre essas informações é imprescindível. Fique atento e não deixe para amanhã um trabalho que você pode iniciar hoje.

Em plena era digital, o mercado dispõe de soluções variadas para a otimização do controle financeiro do negócio. A tecnologia atual apresenta diversas alternativas para garantir que os gestores possam exercer cada vez mais domínio sobre seus empreendimentos, em todos os aspectos. As soluções de gestão integrada, por exemplo, são excelentes para garantir uma visão mais abrangente e aprofundada do negócio.

Quais são as melhores dicas para aumentar a lucratividade das empresas?

Agora que você sabe como funcionam os índices de lucratividade, poderá investir em estratégias que visam o lucro medi-lo corretamente. Leia algumas delas abaixo.

Defina metas de curto, médio e longo prazo

A primeira dica é incluir metas tanto de curto como longo prazo no negócio. Muitas vezes, os gestores se preocupam com resultados a serem atingidos em poucos meses, mas também há resultados demoram mais que o planejado para serem alcançados.

Dessa forma, o seu planejamento estratégico deve incluir tanto metas que levam diferentes períodos para serem alcançadas. Entenda melhor quais são esses prazos e veja alguns exemplos de metas:

  • curto prazo: podem ser realizadas dentro de um ano, como constituição de reserva para emergência ou aquisição de novos equipamentos;
  • médio prazo: são concretizados entre 1 e 5 anos, como a realização de investimentos, abertura de nova filial etc.;
  • longo prazo: levam mais de 5 anos para serem alcançadas, geralmente têm grande magnitude para a empresa, como se tornar referência na região.

Invista em ações de marketing para atrair clientes

Uma das principais formas de alcançar a lucratividade é usar estratégias para atrair novos clientes, já que eles costumam ser os principais responsáveis pela receita do negócio. Esse objetivo é conquistado com o investimento em ações de marketing adequado para seu público-alvo.

Existem diferentes estratégias de marketing que podem ser aplicadas simultaneamente, alguns exemplos dessas técnicas são:

  • outbound marketing: ações tradicionais que levam a marca até o cliente, como propaganda na TV, jornal, banners, rádio etc.;
  • inbound marketing: faz com que o cliente procure a marca para solucionar problemas, satisfazer curiosidades etc.;
  • marketing de conteúdo: produção de materiais que ajudam as pessoas a solucionar seus problemas, fazendo com que elas se engagem com a marca;
  • marketing social: ações que aliviam problemas sociais (voltadas para educação, saúde, cultura ou trabalho), melhorando a imagem da marca.

Faça uso da tecnologia na gestão do negócio

A tecnologia está cada dia mais presente no mundo corporativo, já que as inovações tecnológicas fornecem um amplo leque de vantagens e utilidades às pessoas jurídicas e físicas em geral.

Para isso, as empresas podem usar soluções de gestão integrada que ajudam a reduzir custos, melhorar a qualidade da gestão, bem como aumentar a produtividade e a segurança simultaneamente. 

Controle os custos e despesas

O faturamento é apenas uma das contas que compõem o complexo financeiro de uma empresa. Para garantir o aumento dos lucros, é fundamental compreender de forma detalhada todos os custos e despesas da empresa. Primeiro, entenda a diferença entre os dois termos:

  • custos: são os valores necessários para manter e vender bens, como a energia usada;
  • despesas: englobam os gastos relativos à gestão empresarial, como marketing, financeiro, contabilidade, entre outros. Alguns exemplos são aluguel, água e material de escritório.

Quando você contabiliza essas saídas, conseguirá encontrar “gastos invisíveis”, supérfluos ou exorbitantes e poderá tomar as medidas para eliminá-los, aumentando a margem de lucro do negócio eficientemente.

Capacite a equipe de trabalho

Ter uma equipe capacitada é um dos principais fatores para o sucesso de qualquer negócio, afinal, serão os colaboradores que atenderão os clientes, realizarão os processos internos etc.

Por essa razão, encontre talentos — funcionários com perfil ideal para a empresa — e tome medidas para retê-los, eles se esforçam para trazer resultados e desenvolver o negócio, o que também aumenta o lucro.

Entender como funciona o índice de lucratividade é essencial para qualquer administrador, será somente com base em informações verídicas que ele poderá definir quais são as melhores estratégias para desenvolver saudavelmente seu negócio.

Atualize-se ainda mais sobre gestão empresarial! Leia nosso artigo que traz os novos modelos de negócios no varejo!


Share: