A oferta de condições facilitadas de pagamento para os clientes é uma das estratégias mais importantes do segmento varejista. E dentro desse contexto, os cartões private label (conhecidos popularmente como cartões próprio de loja) aparecem como uma alternativa bastante interessante.

Mas o que é cartão private label? Simples: são aqueles cartões próprios emitidos pelas lojas e aceitos somente neste varejo.

O sucesso de crescimento deste meio alternativo de pagamento está diretamente ligado a fidelização dos consumidores e a estratégia de rentabilidade extra da loja que o gestor pode ter a partir da implantação e oferta do cartão.

Por isso, essa é uma modalidade que só vem crescendo ao longo dos últimos anos, ao mesmo tempo em que contribui diretamente para a expansão de diversas redes e unidades varejistas.

Para entender mais sobre como funcionam os cartões private label, acompanhe o artigo que preparamos.

Quais os índices de crescimento do private label?

Os índices que medem o desempenho dos cartões private label dão margem a apenas uma interpretação: trata-se verdadeiramente de um nicho promissor.

Para 2018, a expectativa de mercado, é que haja um crescimento de 30% na utilização desses cartões, em razão de fatores como a queda da inadimplência e as restrições de crédito cada vez maiores impostas pelos bancos.

Para a Associação Brasileira de Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), a modalidade deve atingir a marca de R$ 293 milhões em faturamento até o ano de 2022.

Já no que se refere à participação de mercado, a Abecs estima que os cartões próprios respondam por 12% do faturamento total dos cartões de crédito no Brasil, o que coloca a modalidade em posição de destaque no varejo.

Para se ter uma ideia, o ano de 2017 terminou com faturamento total de R$ 1,36 trilhão no uso de todos os tipos de cartão (entre as modalidades de débito e crédito); um crescimento de 12,6% em comparação a 2016. O crédito, em particular, responde por 12,4%, com números absolutos de R$ 842,6 bilhões.

Qual é o público atendido pelos cartões próprios?

Sabemos que o mercado está em fase de recuperação econômica e muitos consumidores perceberam a diminuição do crédito ofertado, em especial para as classes C, D e E. Por isso, muitos se viram impossibilitados de adquirir itens parcelados, por exemplo, ou com tíquete mais elevado.

É aí que reside um dos grandes triunfos do private label: ele atende a esse público, pois está desvinculado das instituições financeiras. Assim, a própria loja pode definir as formas de pagamento e continuar disponibilizando aos seus clientes condições especiais de parcelamento.

Isso sem falar naqueles clientes que não possuem conta bancária e não têm acesso a cartões comuns. Essa é mais uma fatia beneficiada pelos cartões próprios, já que, em regra, o varejista pode estabelecer critérios próprios de aprovação e liberação de crédito, tendo como parâmetros os indicadores que forem mais convenientes ao seu negócio, no entanto, mais flexíveis do que os utilizados por grandes instituições financeiras.

Já para quem tem conta em banco, a opção permanece vantajosa, uma vez que não é preciso se preocupar com limites do cartão de crédito convencional. Com o private label, o cliente da loja conta com um crédito exclusivo, que pode ser utilizado de acordo as possibilidades e preferências de cada um.

Quais lojas podem utilizar os cartões private label?

Quando falamos de cartões próprios, geralmente, lembramos das grandes redes varejistas, e isso leva muitos a acreditarem que somente empresas de grande porte podem trabalhar com essa modalidade de pagamento.

Mas isso não é verdade. Na realidade, até os pequenos varejos podem adotar essa opção. De forma geral, é necessário que o gestor estabelece um planejamento na oferta do crédito e, para isso, pode contar com o apoio da INFOX. [clique para falar com um consultor e saber mais a respeito]

Quais as vantagens dos cartões próprios da loja?

Tendo compreendido o que é o cartão private label, vamos falar sobre as vantagens associadas ao seu uso, que não são poucas. Elas vão desde questões que impactam a forma de administrar o varejo, até os índices de satisfação dos consumidores.

Entenda oito dos principais benefícios:

1. Autonomia na estratégia comercial

Como já dissemos, a loja que trabalha com cartões próprios pode definir suas próprias condições de pagamento. Dessa forma, ela tem uma autonomia muito maior no que se refere à sua estratégia comercial.

2. Aumento do tíquete médio

O consumidor se sente mais seguro quanto à compra no estabelecimento comercial, o que o estimula a sair do essencial e potencialmente incluir alguns itens extras em sua cesta. Por isso, é comum que as unidades de varejo vivenciem um aumento no tíquete médio (valor gasto por cliente a cada compra), a partir da utilização dos cartões próprios da loja.

3. Fidelização dos consumidores

A partir do momento em que o consumidor tem uma experiência de compra bem-sucedida, é muito provável que ele retorne para negócios futuros. Essa é a chamada fidelização, em que cria-se uma relação de apoio à marca e a sua loja passa a ser vista como uma referência.

4. Captação de clientes

Consequência direta da fidelização, a captação de clientes é outra vantagem da utilização de cartões próprios. Afinal, um consumidor satisfeito, naturalmente, indicará sua loja para amigos e familiares, ampliando, assim, a divulgação espontânea do empreendimento (que ainda é uma das formas mais confiáveis e produtivas de consolidação no mercado).

5. Desenvolvimento de ações promocionais

O private label também pode propiciar a criação de um programa de fidelidade, por meio do qual é possível realizar várias ações promocionais, como soma de pontos, troca por produtos, premiações, etc. Alguns benefícios podem ser utilizados a fim de engajar o público na adesão ao cartão próprio, como anuência gratuita, facilidade na hora de trocar os pontos, promoções exclusivas aos titulares, entre outras vantagens.

6. Visitas recorrentes

Quando o pagamento é aceito com exclusividade na loja (ou uma das formas preferenciais de pagamento da fatura), o cliente necessariamente fará visitas mensais ao empreendimento. Muito mais do que uma obrigação para o comprador, essa é uma excelente oportunidade para apresentar o que há de novo e reforçar as condições especiais oferecidas, atraindo novas compras.

7. Gestão de dados

O banco de dados dos clientes é sempre um bem valiosíssimo aos olhos do varejista, pois, a partir destas informações geradas, o gestor pode planejar ações de divulgação e relacionamento de maneira mais assertivas, desenvolvendo táticas distintas para grupos específicos.

8. Obtenção de relatórios

Além de nortear os trabalhos da equipe de marketing, a obtenção dos dados dos clientes possibilita o desenvolvimento de relatórios gerenciais, com o objetivo de nortear o seu negócio e seus investimentos, em que podem constar valor gasto por cliente, frequência de compra do público, entre outros.

Como vimos, os cartões private label geram uma relação ganha-ganha, tanto para a loja como para a loja. A modalidade alcança uma gama gigantesca de compradores, incluindo aqueles que sequer possuem conta em banco, ao mesmo tempo em que possibilita a oferta de condições exclusivas e extremamente facilitadas.

Já para o comércio, os benefícios envolvem desde resultados mais práticos, como o aumento de vendas e do número de compradores, até o desenvolvimento de ações gerenciais e de marketing mais certeiras, a partir de um controle maior sobre o seu próprio negócio.

Se você ficou interessado em administrar o cartão próprio do seu varejo, confira estes materiais que podem auxiliá-lo a planejar seu projeto:

  • [e-book gratuito] A importância da gestão de crédito como diferencial no varejo
  • [e-book gratuito] Private label (cartão próprio de loja) tudo o que você precisa saber

Share: