fbpx

Saiba como usar o design thinking no varejo

Saiba como usar o design thinking no varejo
7 minutos para ler

A pressão por inovação e melhorias constantes afeta empresas de todos os tipos, inclusive as do varejo. Nesse sentido, uma metodologia e um framework para auxiliar na produção de inovação são mais do que importantes e necessários. Contudo, é preciso entender como essa abordagem é aplicada nesse tipo de demanda e negócio.

Estamos falando do design thinking (DT), uma estratégia que busca espelhar a forma de trabalhar dos designers para gerar resultados consistentes e precisos. O DT não é exclusividade de empresas de tecnologia e nem das que trabalham com desenvolvimento de produtos sob encomenda. Empresas varejistas podem ser beneficiadas também.

Se quiser saber mais sobre essa relação entre o design thinking e o varejo, siga acompanhando os tópicos a seguir.

O que é design thinking?

O design thinking é, como já falamos, uma estratégia que tenta seguir a mesma mentalidade de um profissional ao analisar um problema. Isto é, busca quebrar o problema em partes, focar as pessoas, a colaboração, a experimentação e a inovação, bem como submeter o processo a constantes análises e pesquisas a fim de chegar ao melhor resultado possível.

Nesse sentido, é uma metodologia muito utilizada para o desenvolvimento de produtos, no caso de empresas que trabalham exclusivamente com isso. Contudo, por ser uma abordagem muito bem-sucedida, ela também extrapola esse tipo de negócio e chega a outros contextos, como o varejo.

Basicamente, o design thinking emprega uma nova forma de pensar que é extremamente focada no cliente. É preciso pensar em melhores formas de alcançar os resultados desejados, de modo a atingir uma conexão entre o lucro para a empresa e o benefício para o consumidor.

Por mais que isso pareça o objetivo de qualquer abordagem, o design thinking tenta isso com etapas específicas e padronizadas.

A primeira fase da análise do design thinking é justamente a imersão em um problema. Nesse processo, a equipe busca exercer empatia e pesquisar mais sobre o cenário analisado, de modo a entender profundamente aquela determinada situação. Com isso, é possível partir para a segunda etapa, que é a de ideação e proposição de soluções diversas. 

Para propor ideias, é preciso haver um conhecimento amplo do cliente, do contexto e das dores que devem ser resolvidas. Nesse sentido, todo o resto do processo é construído em cima dessa empatia e desse movimento de olhar para fora de modo a buscar referências.

A terceira etapa é, então, a prototipação, que se preocupa em trazer algo de concreto para a mesa. Em seguida, surgem os testes para validar o que foi feito.

Claro, essa é a forma tradicional do framework, que é seguida como um conjunto sólido de etapas por empresas que fazem produtos. No caso do varejo, é preciso adaptar a metodologia, adotar os pontos principais e entender como a filosofia do design thinking é crucial para auxiliar no dia a dia. É o que veremos no próximo tópico. 

Qual a importância de utilizar o design thinking no varejo?

Primeiramente, a adoção de design thinking no varejo é fundamental para otimizar a experiência do usuário. Afinal, com a busca de soluções para os principais problemas dos consumidores, com a pesquisa de empatia como base, é possível chegar a melhores condições para eles e gerar mais valor. 

Torna-se viável, portanto, pensar em como estruturar melhor a experiência de compra e tornar o processo mais satisfatório, a partir do conhecimento da jornada do consumidor, das motivações de cada compra, de associações de produtos, do perfil de cada comprador, entre outras questões. 

Isso reflete diretamente em aumento de vendas. Uma vez que a empresa se preocupa com seu cliente e otimiza a sua experiência, é viável aumentar o número de negócios e transações realizadas, deixando o cliente mais satisfeito com o que adquire. 

Ou seja, nesse sentido, a empresa que adota o design thinking vai buscar as melhores formas de oferecer seus produtos para os clientes, de acordo com as necessidades deles. Assim, é possível aumentar a rentabilidade e impulsionar os tickets médios, bem como outras importantes métricas. 

Além disso, o design thinking é imprescindível para empresas que desejam melhorias contínuas. Ou seja, a metodologia ajuda a ter uma clara visão do que pode ser ajustado periodicamente, bem como permite realizar mudanças estratégicas e efetivas.

Ela permite que as empresas alcancem a inovação da maneira certa, ao identificarem, sobretudo, as melhores oportunidades de inovação. 

Como ele deve ser usado no varejo?

Veremos agora como o design thinking pode ser implementado no varejo e em quais atribuições ele gera resultados reais.

Encontrar soluções inovadoras para o cliente

Evidentemente, o design thinkingpode ser usado para encontrar soluções inovadoras que gerem grande impacto para os clientes. Encontrar formas de arrumar os produtos, fazer a organização de corredores, lidar com novas formas de pagamento, bem como expandir a variedade do que é oferecido: tudo isso pode ser pensado de modo a otimizar a experiência do consumidor e pode até mesmo ser base para a criação de alguma tecnologia específica.

Em todos os casos, o design thinking ajuda as empresas a entenderem melhor o cliente, ao simplesmente pensarem como ele. Assim, como já pontuamos, os times internos começarão a processar melhor a jornada do cliente, bem como o que o leva a comprar, e saberão como trabalhar com gatilhos para impulsionar essa ação.

A partir disso, é possível ajustar as operações e as decisões para otimizar essa relação com os consumidores. 

Encontrar soluções inovadoras para os problemas da empresa

Além de um recurso muito útil para gerar soluções para o cliente, o design thinking também é importante para fomentar inovação interna, focada nos problemas da empresa. Nesse caso, a empresa imerge nas necessidades dos colaboradores internos e tenta desenvolver para eles como se fossem os clientes.

Desse modo, é possível obter uma visão mais ampla das necessidades, com análise do contexto e busca das melhores ideias possíveis. A partir do brainstorming, da colaboração e da experimentação, torna-se viável otimizar os investimentos com o melhor retorno. 

Assim, a empresa se destaca no mercado com inovação e consegue melhorar a produtividade e a eficiência do trabalho interno. 

Desenvolver ferramentas e marca

Outra aplicação para o design thinking é o desenvolvimento da marca em si. A partir da autoanálise e do entendimento do cenário do mercado, torna-se viável expandir a companhia e pensar adiante, com a adoção de práticas e soluções modernas que representem um forte diferencial competitivo para a empresa.

Esse é um grande investimento na reputação e na credibilidade da companhia. Afinal, ao cuidar dessa questão, a imagem se torna positiva no mercado.

O design thinking é uma estratégia essencial para empresas que desejam melhorar o seu posicionamento no mercado, criar melhores produtos e simplesmente pensar de maneira inovadora em meio a crises e momentos difíceis. Para aplicar essa metodologia, é importante contar com parcerias com empresas especializadas na gestão do varejo.

Se você gostou deste conteúdo, aproveite para nos seguir nas redes sociais e acompanhar outros materiais que publicamos. Estamos no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.

Você também pode gostar

Deixe um comentário